Avaliação

Podemos iniciar uma avaliação, a uma Pessoa, Família ou Empresa, pela sua capacidade de investimento, num Plano Proteção. (PPP) (PPF) (PPE).

A micro percentagem que representa um PP, no orçamento anual das famílias portuguesas é insignificante em relação á oferta da cobertura, tendo em comparação, países como USA e Norte da EU. Poderemos também afirmar que o rendimento per capita não é comparável, mas o que está em causa é a cultura social ao nível da prevenção e proteção.

Na ausência da decisão, ficamos pendentes das instituições do Estado, na proteção e ação social, seja segurança social, hospitais públicos, lares, centros de recuperação, assistência ao domicílio, estas instituições encontram-se num défice de resposta às necessidades alarmante.

Analisando alguns fatores que provocam constrangimentos ao défice de resposta nestas instituições, conclui-se maior dificuldade na sua gestão futura.

Longevidade – População envelhecida. Esperança de vida aumenta 2 anos a cada década, mais anos de pagamento da prestação social (reformas), mais assistência e proteção social.

Natalidade – Queda vertiginosa nas últimas décadas 1970 (3.01) 2012 (1.35). Défice nas próximas décadas á entrada de jovens, no mercado de trabalho. Queda na contribuição social.

Emigração de jovens licenciados, mão-de-obra especializada, desemprego longa duração, geração Baby Boom (50 – 65) gerou pré-reformas e reformas antecipadas.

Nesta breve avaliação, focamos assuntos disponíveis ao conhecimento de toda a sociedade, aos quais podemos agir em conformidade.

Elaborar um diagnóstico ás nossas necessidades é um passo à decisão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *